Arquivo

Textos com Etiquetas ‘Martha Argel’

Literatura Fantástica Nacional na Bienal do Rio

12, setembro, 2009 2 comentários

ATUALIZADO EM 15/09

Agora que Mr. Cornwell já foi, os amantes da literatura fantástica podem estar se perguntando: ok, e agora o que tem de legal?

Muita coisa! E não só na Bienal, mas no circuito fora da Bienal também!

Hoje, sábado, 12 de setembro, tem o lançamento de MSP 50, álbum comemorativo dos 50 anos de carreira de Mauricio de Sousa. Vários desenhistas e roteiristas – inclusive a dupla responsável pela graphic novel intempoliana The Long Yesterday, Osmarco Valadão e Manoel Magalhães – foram convocados para fazer releituras da obra do mais bem sucedido quadrinista brasileiro. A partir das 18 hs, no estande da Editora Panini.

Amanhã, 13 de setembro, é dia de vampiros e samurais. Giulia Moon, depois de anos sendo uma das melhores contistas ‘vampirescas’ do Brasil, finalmente lança um romance, na mesma linha temática que já a consagrou. O lançamento carioca de Kaori, perfume de vampira será no estande da Giz Editorial, a partir das 16 hs.

Na terça-feira, 15 de setembro, Giulia, Martha Argel e Humberto Moura estarão na livraria Baratos da Ribeiro, em Copacabana, na noitada literária ‘Yes, nós temos vampiros!’, a partir das 18hs.

Dia 17 de setembro, a partir das 15:30h, Martha Argel irá deixar os vampiros de lado para se dedicar a outras criaturinhas voadoras, com ‘Educação Ambiental: Voando pelo Brasil’ falando sobre aves brasileiras e seus ecossistemas. No estande da Editora CucaFresca (pavilhão verde).

Sábado, dia 19, é o dia mais movimentado.

Meio-dia, o café literário (pavilhão azul)  sediará uma mesa sobre literatura de entretenimento, mediada por Felipe Pena, com Luis Eduardo da Matta e André Vianco. O senhor dos vampiros também estará autografando seus livros a partir das 14hs no stand da Saraiva – Pavilhão Azul.

Miguel Carqueija anuncia que entre 14:00 e 16:00 hs, estará no estande da Giz Editorial (pavilhão laranja) para a tarde de autógrafos da antologia “Invasão”, organizada por Ademir Alves, com prefácio de Roberto Causo.  Os demais autores da antologia são: Angela Nadja Berg Ceschim Oiticica, Christian David, Daniel Pedrosa, Daniele Helena Bonfim, Danny Marks, Duda Falcão, Edmar Souza Júnior, Eduardo Lesnok, Estevan Lutz, Jocir Prandi, Mariana Albuquerque, Mário Carneiro Jr., Melanie Evarino Leite, Nenezio, Ricardo Delfin, Rober Pinheiro, Rômulo Mafra, Ronaldo Costa, Ronaldo Luiz Souza, Vinícius Vieira, Waldick Garrett e Wilson Silva. O autor carioca também estará autografando o romance “Farei meu destino”.

A escritora Giselle Sato avisa que a coletânea do Beco do Crime, da qual participa, terá sessão de autográfos às 17 hrs, no pavilhão laranja.

E na Baratos da Ribeiro estará acontecendo, durante todo o dia, a OFF Bienal, com leituras, dramatizações, shows e lançamentos, em uma iniciativa conjunta do sebo com a editora Multifoco. Vários autores estarão presentes, como Giulia Moon, S. Lobo, Martha Argel, Humberto Moura, Fabio Lyra, Estevão Ribeiro, Luis Eduardo da Matta, além desta que vos escreve. Mais informações aqui.

No domingo, 20, ao meio-dia, Adriana Lunardi (autora de Vésperas), FLavio Carneiro Michel Laub, estarão debatendo no Café Literário (pavilhão azul) o tema ‘Literatura, delicadeza, ficções de si e dos outros’.

Eu estarei na Bienal nos dias 12 e 19 de setembro, com AnaCrônicas e Espelhos Irreais nas costas, além de, claro, estar na OFF Bienal. Espero vocês por lá!

Dica de boas compras:

No stand da editora Universo dos Livros (pavilhão verde), os livros de Sergio Pereira Couto estão em promoção, inclusive a recém-lançada nova edição de ‘Sociedades Secretas’.

O stand da Bookoutlet (pavilhão laranja) oferece livros a R$ 5,00 e R$10,00 – incluindo obras de Isaac Asimov e Doris Lessing

O site Estante Virtual (pavilhão verde) criou uma promoção inusitada: a troca de livros. A cada livro usado que você levar, poderá levar outro. Limite de 10 livros por pessoa.

Atenção escritores!!!

É possivel entrar na Bienalcom credenciamento – em bom português, sem pagar. É só apresentar uma publicação em seu nome e carteira de identidade nas bilheterias habilitadas para retirar a sua credencial, válida para todos os dias. (Se não me engano, ficam à esquerda da entrada, no pavilhão laranja)

Lembrando que é apenas um apanhado. A programação completa você encontra no site da Bienal.

Quem quiser divulgar mais alguma coisa na Bienal – ou fora dela – entre em contato.

Ana Cristina

Presas para que te quero

20, junho, 2009 9 comentários

Vampiros.

Não foi a toa que o Papo na Estante, podcast sobre literatura fantástica, decidiu dedicar duas edições aos sanguessugas. Participei, apesar de alguns poderem ficar surpresos com isso.

Isso é um vampiro que dava medo. O senhor de Ravenloft.

 

Desse vampiro eu tinha medo.

Afinal, quem me conhece – e até quem nem faz ideia de quem eu sou – sabe que eu estou absolutamente saturada de vampiros. Tive minha overdose lá pela década de 1990, quando lia Anne Rice, jogava Vampiro: A Máscara/Ravenloft e comprava até livros teóricos sobre o assunto. Porém, chegou um momento em que simplesmente… encheu o saco. (Blame it on ‘Crônica do Ladrão de Corpos’)

 

Então, não se pode dizer que estou totalmente feliz e satisfeita com a onda vampírica, que anda crescendo a ponto de se tornar um tsunami. Para Ana, a leitora, todos esses vampiros podiam sufocar no seu próprio sangue e morrer de vez. Agora, a escritora-ativista-produtora-editora-organizadora em mim acompanha essa movimentação com muito interesse. Afinal, é sempre algo notável quando a literatura fantástica em sua forma mais pura consegue se destacar nas listas de mais vendidos.

Mas por favor, não considerem que Crepúsculo seja o ressurgimento do mito do vampiro. O jogo de Mark Rein o Hagen não foi, nem as ‘Crônicas Vampirescas’. Mesmo Drácula não fez ressurgir nada. Sim, até creio que deram uma nova roupagem.

Só que os dentuços sempre estiveram por aí. De tal forma que se antropóloga eu fosse, diria ser um mitema. A humanidade sempre teve fascínio com certos assuntos: imortalidade, juventude eterna, crueldade, beleza, sensualidade. Muitos dos mitos que deram origem – ou que hoje nós associamos – aos vampiros tem a ver com alguns desses aspectos, desde os súcubos judaicos até as strix latinas.

 

Mesmo antes de Bram Stocker esculpir uma imagem mais a nosso gosto do sugador de energia/sangue, nossos antepassados europeus viviam com medo de criaturas noturnas. Vejam por exemplo essa reportagem sobre um vampiro no século XVI.

 

 

Sem comentários

 

Sem comentários.

O estouro que o mito teve com a Anne Rice – estouro esse que nunca realmente sumiu, só diminuiu pouco – solidificou de vez o vampiro como uma criatura pop. E cada vez mais, ao invés do medo que os pobres cristãos do século XVI sentiam ao vê-lo, os caçadores noturnos acabam exercendo um grande fascínio – um poder de sedução que coloca até galãs estabelecidos no chinelo. (Isso não quer dizer que qualquer um fica bem como vampiro, ok, Antonio Banderas?)

 

Cada vez mais você vê jovens, adolescentes e senhouras nem tão jovens assim encantadas, doidas para serem mordidas. E o mercado literário acompanha isso.

A mistura ‘sangue-com-açucar’ – ótimo epíteto dado pelo jornalista, crítico e escritor Antonio Luiz M. da Costa para o livro da brasileira Nazarethe Fonseca – cada vez se torna mais popular. Vocês acham que ‘Crepusculo-Lua Nova-Eclipse-Amanhecer-Luscofusco’ é exemplar único?

Rá.

Nem vou falar da série de Charlane Harris, que deu origem a série de tv ‘True Blood’. Há uma infinidade de títulos – alguns classificados como ‘dark fantasy’, outros como fantasia urbana e outros são ‘romances paranormais’, o que engloba todo o livro em que gente e seres sobrenaturais (fantasmas, vampiros, lobisomens) se apaixona/relaciona.

Martha Argel, André Vianco e Giulia Moon.

 

Martha Argel, André Vianco e Giulia Moon.

No Brasil, os vampiros não nos são nada estranhos. O livro da série Necropóle dedicado ao tema é um dos mais vendidos da coleção. Gerson Lodi-Ribeiro criou um vampiro calcado em mitos americanos na sua série do Vampiro de Nova Holanda. E cada vez mais, tem aparecido livros vampirescos de autores brasileiros: André Vianco, Giulia Moon e Martha Argel são bons exemplos. Enquanto o Vianco explora um lado mais ‘testosterona’ dos dentuços, as duas escritores tratam o tema com lirismo, mas sem cair no romance mais adocicado.

 

 

Que é a praia de Nazarethe Fonseca, a escritora mais próxima do Zeitgeist crepuscular que temos por aqui. Com uma boa legião de fãs, a escritora está lançando a terceira edição do seu ‘Alma e Sangue: o despertar do vampiro’, preparando-se para revelar o até agora inédito ‘Alma e Sangue: O império dos Vampiros’. Ambos sairão pela editora Aleph que depois de algum tempo tem voltado a apostar na literatura fantástica nacional. Uma das razões do sucesso da escritora pode ser a escrita fácil, bem digerível por adolescentes fãs dos livros de Stephanie Meyer. Mas não se pode descartar que ao fazer nossos predadores virem parar no Brasil, ela os aproxima do público leitor de uma forma que evoca os mitos presentes no cinema sem desconsiderar a cultura popular.

E tem muito, mas muito mais de vampiro por aí: os livros de Martha Argel e Giulia Moon pela editora Ideia, coletâneas sobre o assunto – uma da Devir, lançada no dia 18/06, outra da Terracota a ser lançada no segundo semestre, etc… Uma boa parte do reaquecimento da literatura fantástica brasileira está se alimentando com sangue.

 

Links

Papo na Estante

Site de Nazarethe Fonseca

Site de André Vianco

Site de Martha Argel

Site de Giulia Moon

Tarja Editorial

Editora Aleph

Ideia Editora